Neurorradiologia

Artigo discute o papel da sequência T1 pós-contraste e difusão na diferenciação entre o glioblastoma e o linfoma do SNC

A distinção diagnóstica entre o glioblastoma e o linfoma do SNC pode ser desafiadora à RM. Doenças com abordagens terapêuticas distintas, tornam fundamental a adequada caracterização diagnóstica para decisão da conduta a ser adotada. Neste estudo comparativo entre grupos de 18 pacientes com linfoma do SNC e 36 pacientes com glioblastoma, foi demonstrada maior acurácia do ADC em relação ao comportamento de realce dinâmico pós-contraste para tal definição diagnóstica. O linfoma apresentou níveis de ADC mais baixos que o glioblastoma, com significância estatística, constituindo o melhor parâmetro para diferenciação entre estes tumores à RM. Além disso, a inclusão de parâmetros de perfusão pós-contraste não trouxe benefício adicional, quando analisada de forma complementar à difusão.

Autores: X. Lin, M. Lee, O. Buck, K.M. Woo, Z. Zhang, V. Hatzoglou, A. Omuro, J. Arevalo-Perez, A.A. Thomas, J. Huse, K. Peck, A.I. Holodny and R.J. Young

Referência bibliográfica: American Journal of Neuroradiology March 2017, 38 (3) 485-491

Link para o PubMed: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27932505

0 comentário em “Artigo discute o papel da sequência T1 pós-contraste e difusão na diferenciação entre o glioblastoma e o linfoma do SNC

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: